15 de outubro de 2019 às 16:06

Usuários de portos catarinenses reclamam de tarifas exorbitantes

O mesmo problema vem afetando usuários dos portos da Bahia.

Usuários de portos catarinenses reclamam de tarifas exorbitantes

Um problema que afeta os usuários dos portos da Bahia também vem ocorrendo nos portos marítimos e portos secos de Itajaí e Navegantes (SC), que travam uma guerra de preços de tarifas de importação, levando empresas a operarem em outros terminais. Empresas de logística alertam que o importador paga até 10 vezes mais caro para transportar uma carga pelo Complexo Portuário de Itajaí frente a outros portos do país. Em oito anos, enquanto o IGP-M teve alta acumulada de 70%, as tarifas praticadas pela APM Terminals (operadora do Porto de Itajaí) e a Portonave (de Navegantes) subiram mais de 700% para o Serviço de Segregação e Entrega de Contêineres (SSE), de armazenagem e transferência do pátio até o portão do terminal. Os portos marítimos elevaram as tarifas e os portos secos, que recebem e distribuem as cargas, estão sofrendo esses custos exponenciais. Outra crítica é que os portos marítimos estão cobrando pelo preço da carga dentro do contêiner enquanto em outros países isso não acontece. Os portos secos cobram da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) a publicação da Resolução Normativa 34 para regular o assunto.