15 de maio de 2019 às 17:00

Obra no Porto de Salvador movimenta mais de meio bilhão

A ampliação do terminal de contêineres deverá ocorrer em duas etapas, durante 18 meses e incluem a construção de um novo cais e ‘pier de atracação’ com 423 metros, além de urbanização, pavimentação e aterro hidráulico

“A maior obra em execução, hoje, na capital baiana, é a ampliação do terminal de contêineres (Tecon) operado pelo grupo Wilson Sons, no Porto de Salvador”. A informação é do presidente da Associação Comercial da Bahia (ACB), Adary Oliveira, que vem espalhando a ‘boa-nova’, em encontros abertos e fechados, descortinando com o seu tradicional otimismo um futuro mais promissor para o nosso Estado. A obra está prevista para ser concluída em agosto de 2020 e tem investimentos na ordem de R$ 638 milhões. A ampliação do terminal de contêineres deverá ocorrer em duas etapas, durante 18 meses e incluem a construção de um novo cais e ‘pier de atracação’ com 423 metros, além de urbanização, pavimentação e aterro hidráulico. A construção deverá trazer ao Porto de Salvador novos horizontes nos planos da Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba). O porto tem vocação para movimentação de contêineres, cargas gerais como grãos e celulose e turismo por meio do seu terminal de passageiros. Atualmente, existem dois cais no Porto de Salvador: um de 210 metros e outro de 377. A ampliação será de mais 423 metros e quando estiver totalmente pronto, o caís inteiro terá 1.010 metros de comprimento. O atual berço de atracação Água de Meninos passará de 377 metros para 800 metros, possibilitando o atendimento a navios maiores que já começam a circular na costa brasileira. “A expansão do terminal da Tecon para a área contígua permite o aumento da capacidade operacional e ganhos de eficiência e produtividade para o Porto de Salvador”, informa, por telefone, Adary Oliveira. Empregos Ao longo da sua construção, pela Constremac - empresa paulista - a expectativa é da geração de, aproximadamente, 550 empregos diretos e a possibilidade do terminal dobrar a sua capacidade de movimentação. Em janeiro passado, para dar inicio ás obras, a Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba) entregou ao Tecon Salvador uma área de 28.159,00 metros quadrados, que está sendo utilizada na montagem do canteiro das obras. A ação é em decorrência da prorrogação do contrato de concessão do Tecon Salvador, operado pela empresa Wilson Sons, por mais 25 anos, assinado em novembro de 2016, pelo Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, com interveniência da Codeba e da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). A prorrogação do contrato fez parte do ‘Projeto Crescer’, do Governo Federal, que visa possibilitar oportunidades de negócios e a retomada de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). Compromisso O documento estabelece o compromisso da arrendatária em incrementar investimentos de, no mínimo, R$ 715 milhões na ampliação da área até 13 de março de 2035. As obras vão garantir que o terminal alcance a capacidade dinâmica de 925.844 TEUs por ano, o que será condizente com a economia baiana. O Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) aprovado pela Antaq. prevê durante todo o período do contrato, uma receita de pouco mais de R$ 1 bilhão para a Codeba, acrescida da receita adicional em razão das tarifas marítima e de acostagem. Segundo informações da Codeba, a principal melhoria da ampliação do terminal de contêineres está na construção de 423 metros de berço de atracação, o que vai permitir um cais linear de 800 metros, com 17 metros de profundidade. Atualmente, o terminal apresenta 617 metros de cais dividido em dois trechos: Cais de Ligação, com 240 metros de comprimento, e o Cais Água de Meninos, com 377 metros de comprimento; quatro mil metros de armazém alfandegado; 674 tomadas frigoríficas; 11 RTGs (sendo nove elétricos); e seis portêineres STS (Ship to Shore Super Post Panamax - responsáveis pela movimentação de contêineres entre o navio e o pátio). Investimentos O terminal de contêineres de Salvador (Tecon) atua desde o ano 2000, e o grupo Wilson Sons já investiu mais de 200 milhões de reais na compra de equipamentos, tecnologia e expansão do terminal. Hoje o Tecon Salvador possui uma área de 118 mil m², com capacidade para movimentar 435 mil TEUs por ano, tornando-se apto a receber os maiores navios de contêineres do mundo, com um cais preferencial para cabotagem, aproximadamente 700 tomadas para contêineres refrigerados e uma célula exclusiva para atendimento de clientes reefers. Por sua vez, o Porto de Salvador possui 2 mil metros de cais contínuo, dividido em dois trechos. O cais comercial possui 1,4 mil metros e é dedicado a cargas gerais, granéis sólidos e passageiros, enquanto o Tecon Salvador conta com 615 metros dedicados à movimentação de contêineres. Possui seis armazéns para a armazenagem de granéis sólidos ou cargas gerais. O pátio para a recepção de cargas diversas é de 8,6 mil metros quadrados; enquanto a área do Tecon tem um pátio com 118 mil m² e um armazém de 4 mil m² de pallets, além de um pátio da empresa Intermarítima, com 12,6 mil m², para contêineres.

Fonte: Tribuna da Bahia