07 de maio de 2019 às 15:08

Saldo da balança comercial sobe 2,3% e fica em US$ 6,06 bilhões em abril

No mês passado, a corrente de comércio foi de US$ 33,3 bilhões, uma queda de 0,6% em relação a abril de 2018 pela média diária.

A balança comercial brasileira fechou abril com superavit de US$ 6,01 bilhões. O resultado é 2,3% maior que o registrado no mesmo mês de 2018, de US$ 5,922 bilhões.
 
Já em relação a março, quando o saldo foi de US$ 5,04 bilhões, houve alta de 20,3%. Os dados foram divulgados nesta 5ª feira (2.mai.2019) pela Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia.
 
No mês passado, a corrente de comércio foi de US$ 33,3 bilhões, uma queda de 0,6% em relação a abril de 2018 pela média diária.
 
EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES
As exportações em abril somaram US$ 19,7 bilhões. Em relação ao mesmo mês do ano passado, houve baixa de 0,1% pela média diária. Já na comparação com março, houve retração de 2%.
 
No mês, as vendas para o exterior de produtos básicos subiram 2,1% em relação a abril de 2018. As de manufaturados cresceram 0,8% e as de semimanufaturados, 7,1%.
 
Entre os destaques do mês, estão algodão em bruto (145,2%), carne suína (51,4%), carne bovina (48,1%) e petróleo em bruto (43,5%).
 
As importações tiveram uma queda mais significativa na comparação anual, somando US$ 13,6 bilhões. A redução foi de 1,2% sobre o mesmo mês do ano passado pela média diária. Em relação a março, houve queda de 6,1%.
 
As compras de bens de capital caíram 10,0%, as de bens intermediários, 0,2% e as de bens de consumo, 6,6%. As importações de combustíveis e lubrificantes, por outro lado, cresceram 10,4%.
 
De acordo com o subsecretário de inteligência estatísticas de comércio exterior, Herlon Brandão, a redução na exportação se deve a 1 cenário de desaceleração do crescimento mundial. “Faz com que se invista menos, se demande menos bens”, explicou.
 
“Por outro lado, na importação temos aí uma recuperação ainda lenta da economia, mas a nossa perspectiva ainda é de melhora para o ano”, disse.
 
COMÉRCIO COM O ORIENTE MÉDIO
A aproximação entre Brasil e Israel não afetou o comércio os países árabes em abril. O Oriente Médio teve 1 aumento de 79,7% nas compras de produtos brasileiros com destaque para soja em grãos, carne de frango e bovina, milho em grão, bovinos vivos, entre outros.
 
De acordo com Brandão, o aumento no mês é explicado por “problemas sanitários que tem afetado a produção asiática”.
 
IMPACTO DA CRISE ARGENTINA
A Argentina, 3º maior parceiro comercial do Brasil, importou US$ 904 milhões em abril. O país importou 6,7% menos insumos brasileiros na média diária se comparado ao mesmo mês de 2018.
 
Considerando o quadrimestre, as exportações para o país vizinho tiveram uma redução de 46,5% na média diária. O principal afetado é o setor automotivo que amargou uma queda de 54% no período.
 
RESULTADO ACUMULADO EM 2019
Em 4 meses, a balança acumula saldo positivo de US$ 16,576 bilhões, queda de 8,7% sobre o mesmo período de 2018, quando fechou em US$ 18,165 bilhões.
 
A secretaria divulgou no mês passado a projeção da balança comercial no ano. A expectativa é que haja superavit comercial de US$ 50,1 bilhões. As exportações devem chegar a US$ 245,9 bilhões e as importações, US$ 195,8 bilhões. As atualizações das projeções serão feitas pela Secretaria trimestralmente.
 
Já no acumulado de 12 meses, o saldo chega a US$ 57,07 bilhões ante US$ 63,79 bilhões, uma diferença de 10,5%.

Fonte: Poder 360