11 de junho de 2020

Bahia reforça infraestrutura portuária

Jornal Correio*

Apesar da severa recessão econômica que o  país atravessa, o setor portuário da Bahia segue atraindo investimentos. Um bom exemplo disso são as obras de expansão do Terminal de Contêineres (Tecon) do Porto de Salvador -  um  projeto que envolve recursos da ordem de R$ 443 milhões.  E mais: ainda em 2020 deve ter início a construção do Porto Sul, em Ilhéus, o que representa mais R$ 2,5 bilhões em aportes financeiros da iniciativa privada.
  
"São projetos importantes. É sempre bom lembrar que o que causa grande impacto no modal portuário são os novos investimentos. São eles que ampliam, fisicamente, a capacidade de trazer mais cargas para o estado e também permitem a captação de  investimentos industriais. São portos modernos e eficientes que possibilitam  a tomada de decisões dos investidores", diz Marcos Galindo Lopes, presidente do Conselho de Portos da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb). 

Em relação ao Porto Sul, o governo federal renovou,  no mês passado,  por mais 18 meses, a autorização para a Bahia Mineração (Bamin) implantar o projeto do terminal de uso privado no distrito de Aritaguá, na zona sul de Ilhéus. A empresa já conta com todas as licenças necessárias para implantação do projeto. O  processo de desapropriações também  já foi concluído.  As obras iniciais  estão previstas para acontecer no segundo semestre deste ano e o início da operação para o primeiro semestre de 2024.

O terminal é fundamental para a exportação do minério de ferro, proveniente da mina Pedra de Ferro, que fica no município de Caetité.  A estrutura receberá as cargas transportadas pela Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol)  para seguir para os mercados internacionais. Numa segunda etapa, o corredor logístico também irá escoar e distribuir  os grãos produzidos no oeste baiano. Todo este complexo pode  gerar  um aumento de 1,93% no PIB da Bahia.

Estrutura 
O Porto Sul contará com um terminal, com capacidade de armazenamento e transporte de até 41,5 milhões de toneladas de minério de ferro/ano.  A obra de implantação vai gerar inicialmente 500 empregos. No pico dos serviços,  esse número saltará para até 2.500.  Quando entrar em operação, daqui a quatro anos, serão entre 600 e 700 postos de trabalho diretos e centenas de outros indiretos.

É  bom enfatizar  que o projeto só fica de pé com os três ativos juntos: o porto, a ferrovia e a mineração.  Antonio Carlos  Tramm, presidente da Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM),  diz que  o Porto Sul irá revitalizar e modernizar  a infraestrutura de logística  do sul da Bahia. Já  a Fiol vai viabilizar este novo porto.

"Eles [Porto Sul e Fiol] são irmão siameses, um depende do outro para existir. O minério  de ferro garante a sustentabilidade do porto e da Fiol. Na sequência, com a conclusão da Fiol 2 (trecho Caetité/Barreiras)  teremos a produção do  oeste baiano", afirma Tramm. "Hoje, os produtores da região têm um problema sério de custo de embarque. Toda a produção é levada em  caminhões para os portos de  Salvador, Aratu e de Itaqui, no Maranhão.  Só observando este aspecto dar para imaginar o que a Fiol e novo porto irão representar de economia para este setor", acrescentou. 

Tramm lembra ainda que  a terceira etapa da Fiol chegará ao Mato Grosso, o que vai permitir que as cargas daquele estado também possam  ser escoadas pelos portos baianos.  "O desenvolvimento que a Fiol e Porto Sul trarão para este pedaço da Bahia é fenomenal e é preciso que os baianos  tenham conhecimento e consciência deste valor", afirmou. 
 
O vice-governador João Leão, secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado, reforça: "O Porto Sul é um projeto estruturante da maior importância,  uma vez que, ligado à Fiol, será a principal porta de saída do minério de ferro que será aqui produzido, bem como de parte da produção mineral do norte de Minas. Além disso, tornará a região do Baixo Sul  ainda mais atrativa para a implantação de projetos industriais de grande porte, a exemplo de siderúrgicas e processadoras de grãos".

Tecon
A primeira etapa da obra de expansão do Tecon Salvador, ue será concluída ainda este ano,  compreende a duplicação do berço de atracação, cuja estrutura  saltará de 377 metros para 800 metros, aquisição de novos equipamentos e a pavimentação de 28 mil  m² de retroárea. 

Hoje, o Tecon Salvador tem capacidade para movimentar até 430 mil contêineres de  tamanho padrão por ano e, após a conclusão da primeira etapa da obra, a capacidade passará a ser de 550 mil contêineres/ano.

Com a duplicação do berço, o terminal baiano passa a ter capacidade para atracar dois navios de grande porte (366 metros),  simultaneamente.  No total, foram adquiridos três portêineres (ship to shor e cranes) e cinco RTGs (guindastes de pátio sobre rodas). Os portêineres têm capacidade de movimentar 65 toneladas por vez e irão atender a navios similares aos maiores porta-contêineres em operação no mundo, com capacidade de içamento a 51 metros de altura e lança de 66 metros. Todos esses equipamentos  já estão em Salvador. 

“A ampliação do Tecon Salvador é um passo importante para manter o estado entre as principais rotas comerciais do mundo, permitindo a atração de novas rotas marítimas, ampliando a sua capac idade de movimentação e condições de atendimento para outras cargas e mantendo a competitividade da Bahia para novos negócios”, afirma  o secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários, Diogo Piloni.

Paulo Villa, diretor-executivo da  Associação de Usuários dos Portos da Bahia (Usuport), diz que o Porto de Salvador é vocacionado para contêineres  e que, desde 2005, os usuários do sistema portuário no estado reclamam por uma segundo terminal de contêineres. 

"Muita gente diz que a Bahia não comportaria um segundo terminal, mas quando você observa que o Ceará possuí cinco  berços para navios  porta-contêineres, Pernambuco três,  e a Bahia só  agora que está chegando no segundo você o quanto o estado  ainda tem para crescer nesta área", diz. "Este é um setor que deve ser tratado , com muito carinho. Quem quer e desenvolver  tem que investir em contêineres", acrescentou.

https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/bahia-reforca-infraestrutura-portuaria/