27 de agosto de 2018 às 09:40

Movimentação de cargas no Porto de Santos cai 1,5%

O balanço ainda aponta que, no mês, os embarques somaram 8,56 milhões de toneladas, 3% a menos, enquanto os desembarques subiram 2,6%, chegando a 3,3 milhões de toneladas.

O movimento de cargas no Porto de Santos no mês passado registrou uma queda de 1,5%, na comparação com julho de 2017. Foram 11,87 milhões de toneladas, contra 12,05 milhões um ano antes. A redução é um reflexo direto da diminuição nas operações de açúcar. Os dados integram o levantamento operacional do complexo marítimo em julho, elaborado e divulgado na manhã do última sexta-feira (24) pela Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp, a Autoridade Portuária).

O balanço ainda aponta que, no mês, os embarques somaram 8,56 milhões de toneladas, 3% a menos, enquanto os desembarques subiram 2,6%, chegando a 3,3 milhões de toneladas. 

O total de 11.872.362 toneladas é a segunda melhor movimentação para julho na história do Porto, perdendo apenas para o registrado nesse mês no ano passado.

Entre as cargas embarcadas, o destaque foi o complexo soja (grãos e farelos), que teve um crescimento de 60,9%, com 2,49 milhões de toneladas. Em segundo lugar, ficou o açúcar, com 1,48 milhão de toneladas (-37,1%), seguido pelo milho (1,22 milhão de toneladas, -32,9%), pela celulose (379,1 mil toneladas, +54,5%) e pelo óleo diesel (165,2 mil toneladas, +11,6%). Nos desembarques, os produtos de maior movimentação foram o adubo (411,0 mil toneladas, +20,5%) e o enxofre (246,2 mil toneladas, +21,4%).

Movimentação anual

Considerando as operações de janeiro a julho, o complexo marítimo movimentou 76,33 milhões de toneladas, valor recorde para o período e que mostra um crescimento de 4,4% em relação ao mesmo período no ano passado. Os carregamentos somaram 54,56 milhões de toneladas (+2,9%) e as descargas, 21,76 milhões de toneladas (+8,5%).

Entre as cargas de exportação, a liderança ficou com o complexo soja, com 21,55 milhões de toneladas, um crescimento de 14,6% em relação aos sete primeiros meses de 2017. Depois, vem o açúcar, com 8,32 milhões de toneladas, registrando uma queda de 25,8%. Segundo os técnicos da Codesp, essa redução está associada à decisão das usinas em priorizar a produção de etanol.

Em terceiro, ficou o milho, com 2,71 milhões de toneladas, 2,6% a menos. Essa queda se deve à redução da safra e ao impasse no preço do frete, cita o corpo técnico da Docas.No desembarque, o produto de maior movimentação foi o adubo, com mais de 2 milhões de toneladas, 6,5% a menos.

Contêineres

As operações de contêineres, por sua vez, registraram aumentos. Na movimentação do mês, o total chegou a 345.748 TEU (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés), 3,7% de crescimento, mantendo a tendência de alta no ano. No acumulado desses sete meses, foram 2.349.165 TEU, número recorde para o período e que aponta uma ampliação de 10,5%.

Ainda de acordo com o levantamento da Codesp, as atracações de navios no Porto em julho somaram 414 navios, 6 a menos que no sétimo mês do exercício anterior. Já no ano, foi registrado uma expansão de 2,2%, com 2.854 atracações no período.

Fonte: A Tribuna