01 de agosto de 2018 às 11:00

Agências reguladoras são feudos de indicação política

O loteamento das agências reguladoras, segundo alertam especialistas, pode até afetar a atração de investimentos para o Brasil, por criar insegurança jurídica.

Agências reguladoras são feudos de indicação política

Levantamento feito pelo jornal O Globo em oito das 11 agências reguladoras federais mostra que, de 40 cargos executivos, 32 são ocupados por nomes indicados por políticos e outros três estão prestes a serem preenchidos pelo mesmo critério. Ou seja, 35 vagas são destinadas a pessoas ligadas a políticos. O loteamento político das agências reguladoras, segundo alertam especialistas, interfere na atuação delas e pode até afetar a atração de investimentos para o Brasil, por criar insegurança jurídica. A matéria destaca que o PR, por exemplo, indicou o diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Mário Rodrigues Júnior — citado em depoimentos da Lava-Jato —, e o diretor Sérgio de Assis Lobo. Na Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), dois diretores, Mário Povia e Francisval Mendes, foram indicados pelo PR, e Adalberto Tokarski, pelo MDB.

Fonte: Ascom/Usuport