18 de junho de 2018 às 14:58

Comércio exterior baiano tem queda de 41% no acumulado do ano

A movimentação de cargas soltas e a granéis teve retração de 29% e a de cargas conteinerizadas - 4%.

Comércio exterior baiano tem queda de 41% no acumulado do ano

Ao se comparar o acumulado deste ano com o de 2017 (até maio), o resultado do comércio exterior baiano mostra que houve uma redução de 41% na movimentação de cargas, que somaram 6,4 milhões de toneladas em 2018. A movimentação de cargas soltas e a granéis registrou queda de 29% e a de cargas conteinerizadas - 4%. Também houve retração de 12% nas exportações e de 43% nas importações. Confira abaixo o relatório completo.

RELATÓRIO DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS

COMÉRCIO EXTERIOR BAIANO (VIA MARÍTIMA) - MAIO 2018

DADOS COMPARATIVOS:

Maio (2018) – Abril (2018):

Em maio, o comércio exterior baiano registrou uma queda de 12% em relação ao mês anterior, ao movimentar cerca de 1,2 milhões de toneladas contra 1,3 milhões em abril.

Do total de 1,2 milhões de toneladas movimentadas, 285 mil toneladas corresponderam às importações, uma redução de 38% em relação ao período anterior, e 869 mil às exportações, que registraram um aumento de apenas 2% em relação ao mês anterior.

As exportações foram puxadas pelas movimentações de 175 mil toneladas de soja e 56 mil de bagaços e outros resíduos de soja o que não se verificou em fevereiro.

Maio (2018) – Maio (2017):

Comparando o mês com o do ano anterior, o comércio exterior baiano caiu 33%. As cargas soltas e a granéis tiveram redução de 31% e as cargas conteinerizadas de 48%. As importações diminuiram de 516 mil toneladas para 285 mil (-45%) e as exportações de 1,2 milhões de toneladas para 869 mil (-28%).

No Ano:

Ao se comparar o acumulado do ano corrente com o do ano de 2017, o resultado mostra que houve uma redução de 41% na movimentação de cargas, que somaram 6,4 milhões de toneladas em 2018. A movimentação de cargas soltas e a granéis registrou queda de 29% e a de cargas conteinerizadas - 4%. Também houve retração de 12% nas exportações, que atingiram pouco mais de 4 milhões de toneladas, e de 43% nas importações, com um total de 2,3 milhões de toneladas.

Quanto ao tipo de carga, cerca de 5,5 milhões de toneladas foram cargas soltas ou a granéis, enquanto 912 mil cargas conteinerizadas. Das 5,5 milhões de toneladas de cargas soltas e granéis, aproximadamente 1,4 milhões foram movimentadas através de portos de outros estados, o que equivale a 266%. Do total de 912 mil toneladas de cargas conteinerizadas, 262 mil foram movimentadas por portos fora da Bahia, e o seu percentual atingiu 29% do total movimentado até então.

Cargas do comércio exterior baiano - via marítima
 (em 1.000 toneladas)

Comparação mensal

Mai.2018

Abr.2018

Variação

TOTAL

1.154

1.312

-12%

Portos da Bahia

911

1.014

-10%

Portos de outros Estados

243

298

-19%

Fluxo:

 

 

 

Importação

285

460

-38%

Exportação

869

852

2%

Tipo:

 

 

 

Soltas e granéis

1.024

1.129

-9%

Portos da Bahia

821

885

-7%

Portos de outros Estados

203

244

-17%

Conteinerizadas

131

183

-29%

Portos da Bahia

91

129

-30%

Portos de outros Estados

40

54

-27%

Comparação mensal

Mai.2018

Mai.2017

Variação

TOTAL

1.154

1.730

-33%

Fluxo:

 

 

 

Importação

285

516

-45%

Exportação

869

1.213

-28%

Tipo:

 

 

 

Soltas e granéis

1.024

1.478

-31%

Conteinerizadas

131

252

-48%

Comparação anual

Jan-Mai.2018

Jan-Mai.2017

Variação

(Acumulado)

 

 

 

TOTAL

            6.404

            8.731

-27%

Fluxo:

 

 

 

Importação

            2.338

            4.133

-43%

Exportação

            4.066

            4.599

-12%

Tipo:

 

 

 

Soltas e granéis

            5.492

            7.781

-29%

Portos da Bahia

            4.059

            6.559

-38%

Portos de outros Estados

            1.433

            1.222

17%

Conteinerizadas

               912

               950

-4%

Portos da Bahia

               649

               707

-8%

Portos de outros Estados

               262

               243

8%

Fonte: Secex/Mdic

 

Fonte: Ascom/Usuport