11 de agosto de 2017 às 12:09

ANTAQ e ANTT apresentam no Enaex contribuições para reduzir custos logísticos no país

Guilherme Penin, diretor de Relações Institucionais e Regulatório da Rumo Logística, pontuou que um dos gargalos logísticos mais importantes de serem enfrentados é a modernização da malha ferroviária

O diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), Adalberto Tokarski, afirmou que a integração com outros modais, a facilitação do acesso ferroviário aos portos, está entre os desafios prioritários para destravar entraves logísticos para importação e exportação no país. De acordo com ele, as medidas são importantes para simplificar as operações, reduzindo custos e tempo para as empresas.

“Tínhamos em 120 instalações privadas e temos, agora 191. É um aumento de quase 50% de 2013 para 2017. E isso foi possível porque flexibilizamos.  Com o novo decreto dos portos, o tempo médio das operações deve sair de 1.500 para 180 dias. Mas queremos que esse período  reduza ainda mais”, disse, durante palestra no Encontro Nacional do Comércio Exterior (Enaex), promovido pela Associação Brasileira de Comércio Exterior.

Guilherme Penin, diretor de Relações Institucionais e Regulatório da Rumo Logística,  pontuou que um dos gargalos logísticos mais importantes de serem enfrentados é a modernização da malha ferroviária paulista, projeto mais importante do país nesse modal. “A ferrovia é muito antiga, do século 19, e o contrato  de concessão vence em 2018. Nesse caso, para se igualar à ferrovia norte, precisará de investimento brutal. A saída é aumentar a capacidade por trem. Isso que vai levar a malha paulista de 30 para 60 milhões de toneladas movimentadas por ano”, declarou.

Tito Lívio Silva, gerente de Regulação e Transporte Multimodal de Cargas da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), ressaltou que os transportes multimodais são primordiais para otimizar a logística e fomentar as exportações brasileiras. Ele advertiu que é necessário adequar as necessidades de transporte às características de cada modal.

“Esse é o novo desafio que temos. O aprimoramento da infraestrutura passa por pontos fundamentais: desenvolvimento, mas também questões operacionais ligadàs a regulação, e tributação. E isso tem que estar alinhado a uma estrutura de governança conjunta”, defendeu.

Também participaram da discussão sobre a contribuição dos portos e transportes para a redução de custos na exportação Lemuel Costa e Silva, chefe de departamento de Encomendas e E-commerce dos Correios, e Jovelio Pires, mediador do debate e coordenador do Centro de Logística Integrada da AEB.

Fonte: Antaq