01 de agosto de 2017 às 10:18

Assoreamento prejudica embarques em Santos

-

Os prejuízos com a redução do calado operacional do Porto de Santos chegam a US$ 35 milhões, o equivalente a R$ 109,9 milhões por semana aos armadores, segundo estimativa do Centro Nacional da Navegação. As perdas podem ser ainda maiores se forem levadas em conta as despesas de outros usuários do cais santista. Desde que o calado foi reduzido, dezenas de embarcações precisaram fazer escalas extras em outros complexos portuários para descarregar. Além disso, cargas que já estavam com previsão de embarque tiveram de ficar armazenadas em terminais mais tempo do que o previsto. Com isso, os prejuízos se acumularam. Segundo dados do Sindicato das Agências de Navegação Marítima do Estado de São Paulo, a cada centímetro a menos de calado deixa-se de embarcar entre sete e oito contêineres. Com a redução atual, isso representa uma perda de carregamento de até 720 contêineres ou 5 mil toneladas de carga por viagem.A Maersk Line, por exemplo, deixa de embarcar 220 contêineres, o equivalente a sete mil toneladas por navio. Desde o final de junho, o assoreamento reduziu a profundidade do canal de acesso ao porto, que era de 13,20 metros, chegou a 12,30 metros e agora é de 12,60 metros.