16 de maio de 2017 às 13:59

Suape registra maior crescimento entre maiores portos públicos do Brasil no 1º trimestre

A evolução é reflexo, principalmente, do crescimento das exportações, da movimentação de granéis líquidos, contêineres, veículos e aos bons números na navegação por cabotagem.

O Porto de Suape registrou o maior índice de crescimento entre os cinco maiores portos públicos brasileiros no 1º trimestre de 2017. No período, a movimentação geral de cargas cresceu 12%, registrando 5,3 milhões de toneladas, contra 4,8 milhões em 2016. O Portos de Santos (SP), principal do país, registrou queda de -3,5% no período. O mesmo aconteceu com os portos de Paranaguá (PR) e Itaguaí (RJ) que registraram queda de -3,6% e -7,6%, respectivamente. Além de Suape, apenas o Porto de Rio Grande (RS) obteve crescimento nos três primeiros meses do ano (11%). O Complexo já havia registrado a maior variação percentual no ano de 2016, quando computou um incremento de 15% em relação ao ano anterior.

Suape já é o principal porto do Norte/Nordeste brasileiro e caminha para alcançar a 4º posição na lista de instalações que mais movimentam cargas no país em 2017. A evolução é reflexo, principalmente, do crescimento das exportações, da movimentação de granéis líquidos, contêineres, veículos e aos bons números na navegação por cabotagem. O incremento é três vezes maior que a média de crescimento geral dos portos públicos e privados brasileiros juntos. No mesmo período, a movimentação geral de cargas cresceu 4%.

Um dos fatores que impulsionaram esse incremento foi a navegação de longo curso. O atracadouro pernambucano registrou a maior taxa de crescimento nas exportações entre os maiores portos públicos, atingindo 64% no período, contabilizando 394,5 mil toneladas. Entre as principais cargas, os granéis líquidos, que concentram os combustíveis, produtos químicos e derivados de petróleo (224,9 mil toneladas). Também tiveram destaque a movimentação de contêineres (120,9 mil toneladas), de açúcar (26,3 mil toneladas), de veículos (13,8 mil toneladas), além de ferro e aço (8,3 mil toneladas).

Suape também alcançou o maior índice de crescimento do país na movimentação de contêineres, fechando o 1º trimestre com incremento de +29% para TEUs (107,9 mil) e, +26% para a tonelagem (1,30 milhões de toneladas). Na comparação com o mesmo período de 2016, o Porto de Santos, registrou crescimento de 3,8%; seguido por Rio Grande 0,70%. Já o Porto de Paranaguá registrou queda de -9,7%.

A localização geográfica estratégica na costa brasileira e as condições estruturais favoráveis reconhecidas de Suape atraem muitas operações de cabotagem, fazendo do porto líder neste tipo de navegação no Brasil. Entre janeiro e março de 2017, foram 3,5 milhões de toneladas movimentadas na navegação por cabotagem. Os granéis líquidos também são os principais produtos movimentados nesse tipo de operação. As demais cargas são os contêineres, produtos químicos orgânicos, líquidos alcoólicos, água de formação (com destino à Refinaria Abreu e Lima), seguido por cargas de ferro e aço. No cenário nacional, o Porto de Santos (SP) ocupa a 2ª posição, seguido pelos portos de Vila do Conde (PA) em 3º lugar, Rio Grande (RS) em 4º lugar e, Fortaleza (CE) em 5º lugar.

Mais números positivos

Com o crescimento na movimentação de veículos em Suape, o porto também passa a ocupar posição de destaque nesse tipo de operação. Dos 12 portos nacionais que movimentam este tipo de carga geral solta (veículos, tratores e outros veículos terrestres, suas partes e acessórios), Suape está hoje em 4º lugar no país, contabilizando 18,3 mil toneladas movimentadas no primeiro trimestre de 2017, subindo uma posição no ranking em relação a 2016. Em 1º lugar nacional se mantém o Porto de Santos, seguido pelo Rio de Janeiro em 2º lugar e, Paranaguá em 3º lugar. Suape movimenta veículos das montadoras GM, Toyota e do Grupo FCA, Fiat e Jeep.

“Além dos números positivos registrados, estamos cada vez mais perto de alcançar a condução de processos importantes com a devolução da autonomia do atracadouro, o que vai permitir a chegada de novos empreendimentos no porto com mais agilidade. Além disso, assim como anunciado pelo governador Paulo Câmara, a conclusão em junho de 2018, das obras da Unidade de Abatimento de Emissões (SNOX) da Refinaria Abreu e Lima, permitirá a ampliação da produção do primeiro trem de refino para 115 mil barris por dia, o que irá proporcionar o aumento na movimentação de cargas no nosso Porto”, ressaltou Marcos Baptista, presidente do Complexo Industrial Portuário de Suape.

Fonte: Ascom Suape